Millennials e o mercado imobiliário

Tendências Jun 24, 2020 4 min

Apesar do mercado imobiliário ser considerado um setor tardio em digitalização e resposta a tendências, sua renovação é inevitável, em parte devido à geração millennial.

Isso ocorre porque a geração millennial nunca foi tão populosa (em relação às outras gerações). É a geração que neste momento, tem um emprego estável, está iniciando uma família e avaliando a compra ou aluguel de um imóvel. A forma de interação do mercado imobiliário com essa geração também é diferente. Millennials não compram ou alugam imóveis da mesma forma que as gerações anteriores, como a geração X e a Baby boomer, levando em consideração aspectos diferentes das outras gerações para sua tomada de decisão.

As diferentes gerações estão em estágios diferentes da vida.
As diferentes gerações estão em estágios diferentes da vida. Foto de cottonbro no Pexels

Quem são os millennials?

Pessoas nascidas entre os anos 1980 e 1994 são chamadas de millennials, ou geração millennial, ou geração do milênio em português, ou ainda, geração Y. São jovens adultos, com idade entre 25 e 40 anos e no Brasil já representam 34% da população e 50% da força de trabalho no país e no mundo; além disso, eles serão 75% da força de trabalho no mundo em 2025. Segundo pesquisa realizada pelo Itaú Unibanco, no Brasil, 56% dos millennials são brancos, 42% são casados, 40% têm o ensino médio completo e 47% ganham entre 1 e 4 salários mínimos.

Nem todas as pessoas da geração Y estão no mesmo estágio de vida, pois esta geração integra tanto jovens adultos, no começo da carreira, quanto adultos maduros, com família formada. Esta diferenciação é demonstrada em diferentes interesses e comportamentos de consumo entre a geração Y “jovem” e a geração Y “madura”.

Esta geração é adepta do uso de múltiplas redes sociais e smartphones, e, ao invés de TV a cabo, Netflix. Além disso, millennials são menos fiéis a marcas do que as gerações anteriores, mas confiam em grandes marcas com histórico de produtos de qualidade, como Google e Apple. Parte da geração Y entrou na força de trabalho por volta de 2008, durante a crise econômica global, o que a tornou mais pobre. Este empobrecimento da geração millennial mais jovem, aliado aos interesses menos amadurecidos dessa parte da geração, são fatores que fazem com que os millennials mais jovens posterguem grandes aquisições.

A geração do milênio é adepta do uso de múltiplas redes sociais e smartphones.
A geração do milênio é adepta do uso de múltiplas redes sociais e smartphones. Photo by Yura Fresh / Unsplash

Millennials e mercado imobiliário

Devido ao seu uso de smartphones, estima-se que, nos Estados Unidos, 99% dos millennials usem a internet para pesquisar imóveis ou informações sobre aquisições de imóveis; e 58% deles encontram seu imóvel ideal via smartphone ou tablet. Os millennials norte-americanos buscam casas melhores e mais caras, devido à postergação desse tipo de compra. Além disso, por mais que os millennials sejam mais pobres que a geração anterior, sua renda está em constante crescimento.

Como nos EUA, no Brasil, a geração Y prefere comunicar-se por mensagens instantâneas ou e-mail quando negocia imóveis, a menos que o assunto seja mais importante ou delicado: nesse caso, prefere-se ligação. No Brasil, o tipo de imóvel mais procurado pelos millennials é o apartamento e o tipo de contrato preferido é o de aluguel.

A geração Y busca por melhores infraestruturas de espaços comuns.
A verticalização também torna a metragem dos apartamentos cada vez menor, o que faz com que a geração Y busque por melhores infraestruturas de espaços comuns. Photo by Patrick Perkins / Unsplash

A busca por apartamentos reflete a verticalização das cidades e de muitos bairros estratégicos, favoritos dos millennials, por oferecem a infraestrutura comercial (comércios, escolas, restaurantes) e de qualidade de vida (parques e praças) que esta geração busca. Já a preferência pela locação demonstra que essa geração preza pela possibilidade de mobilidade nos primeiros anos da carreira.

A verticalização também torna a metragem dos apartamentos cada vez menor, o que faz com que a geração Y, em busca de qualidade de vida, busque por melhores infraestruturas de espaços comuns, como salão de festas, lavanderia, academia, brinquedoteca, playground e churrasqueira. Além disso, soluções provenientes da internet das coisas para os imóveis, como controle de iluminação e temperatura do espaço também são itens que atraem a digital geração Y, quando buscam imóveis de alto padrão.

Millennials: a geração que mais consome hoje

Para os profissionais de marketing, observar e categorizar as gerações é crucial para criar campanhas, propagandas e produtos que falem ao coração de cada geração e atendam suas necessidades mais profundas. No entanto, para além do marketing e do consumo, devemos nos atentar ao fato de que, neste exato momento em que vivemos, a geração Y é a mais importante geração a ser observada e atendida. É a maior geração em número e continua em expansão; é a geração que mais trabalha e consome, portanto está moldando o mundo ao seu comportamento de consumo e suas necessidades. Viver em 2020 é viver a geração Y em seu auge, com suas ideias, estilo de vida, necessidades e tendências de consumo.

Marília Ferreira

Eterna aprendiz de tudo, buscando absorver e disseminar o conhecimento sobre inovação no mercado imobiliário.